NO ESPAÇO EM BRANCO, ABAIXO, COLOQUE ASSUNTOS DE SEU INTERESSE E PESQUISE.

Carregando...

VISITÔMETRO DO DAX

PROVA SENAI - CGE 2025 - APRENDIZAGEM INDUSTRIAL COMUNIDADE

Em 25/10/2010, a partir das 15h30, foram iniciados comentários desta Prova com o intuito de oferecer conhecimento aos interessados, fortalecer-lhes conteúdos e poder informar, exclusivamente, a razão da alternativa escolhida.


Se você tiver interesse pelo comentário de alguma questão não resolvida desta prova, clique no link abaixo:
REDE DE ESTUDO COLETIVO


LÍNGUA PORTUGUESA

O texto abaixo se refere às questões de 1 a 3.

2 + 2 = 4... nem sempre!
A Matemática está se transformando em uma ciência inexata

Pense bem da próxima vez que quiser resolver algo com precisão matemática. Os últimos avanços da mais exata das ciências estão tão cercados de polêmica que, em grande parte das vezes, ninguém mais sabe dizer que problemas estão resolvidos e quais conclusões estão inequivocamente certas. “Hoje em dia, os matemáticos estão levando muito em conta o papel das decisões humanas sobre que provas são válidas”, diz o matemático Keith Devlin, da Universidade Stanford, EUA.
A primeira razão para a dúvida é que quem dá a palavra final na matemática é a “pecinha” que fica atrás dos livros: o homem. Cabe à comunidade de cientistas decidir quais conclusões são erradas e quais provas são legítimas. E esses matemáticos têm enfrentado grandes problemas. Parte da culpa vem do melhor amigo do matemático na atualidade: o computador. O problema começou em 1976, quando 2 cientistas disseram ter provado o teorema das 4 cores, que diz que qualquer mapa pode ser pintado com apenas 4 cores sem usar a mesma tinta para 2 países fronteiriços. Eles tinham chegado à prova programando um computador para testar todas as possibilidades, e o resultado era um tijolo de mais de 500 páginas impossível de ser checado à mão. Desde então, técnicas parecidas “provaram” outros teoremas, todas gerando a mesma polêmica: é válida uma demonstração que não pode ser verificada por ninguém? Para muitos, a resposta é simplesmente “não”.
Por outro lado, existem dezenas de equações ainda não comprovadas que são usadas como se fossem exatas. Pegue, por exemplo, a questão de se um número é primo – ou seja, se ele pode ou não ser dividido por outro número inteiro além dele mesmo e de 1. Já existem métodos que resolvem o problema com 99,99% de certeza, não importa o tamanho do número. Mas não existe uma conclusão exata – e, para os matemáticos, essa incerteza traz o mesmo desconforto de dizer para um pai que a criança tem 99,99% de chances de ser filha dele. Mesmo assim, a técnica é amplamente utilizada, por exemplo, em pesquisas de sistemas de segurança eletrônicos (como o do seu e-mail).
“Provas são apenas uma das ferramentas que os matemáticos usam”, diz o americano Philip Davis, da Universidade Brown, em Rhode Island, EUA. Ele é um dos muitos cientistas que defendem que o seu campo hoje precisa aprender a lidar com a falta de certezas. Ou, como diz a jornalista, física e matemática americana Margaret Wertheim: “Como muitos outros campos, a matemática está se tornando menos a busca por verdades últimas do que um projeto movido por negociações entre os participantes”.
Fonte: REZENDE, R. Revista Superinteressante, 215 ed., p. 15, jul. 2005.

1. Leia o trecho a seguir:

“Parte da culpa vem do melhor amigo do matemático na atualidade: o computador. O problema começou em 1976, quando 2 cientistas disseram ter provado o teorema das 4 cores, que diz que qualquer mapa pode ser pintado com apenas 4 cores sem usar a mesma tinta para 2 países fronteiriços.”

Levando-se em consideração o contexto do trecho acima, é correto classificar como adjetivo:

a. parte.      b. atualidade.      c. fronteiriços.        d. cientistas.          e. mesma.

D.A. RESOLVE

Considera-se adjetivo a classe de palavras que expressa qualidade ou estado de um ser (=substantivo) e, ainda, especifica algo de um ser. As alternativas a., b., d. têm palavras que pertencem à classe dos substantivos, pois, além de indicarem seres (= pessoas / seres animados: cientistas ou seres inanimados / coisas: parte, atualidade), pode-se colocar, antes delas, artigos definidos o, a, os, as: os cientistas, a parte (= a porção), a atualidade e percebe-se que dão sentido, informam algo, tem-se a ideia de algo.

fronteiriços, referem-se a países, especificam os países que estão nas fronteiras, portanto, não são todos os países, apenas, os que estão nas fronteiras. Tal palavra pertence à classe dos adjetivos.

O adjetivo concorda em gênero (= masculino ou feminino) e em número (= singular ou plural) com a palavra a que ser refere.

Observa-se, então, que fronteiriços está no masculino plural, pois concorda com países que, também, está no masculino plural.

A palavra mesma é um pronome indefinido, que empregado antes do substantivo tinta, classifica-se como pronome adjetivo. Pela própria classificação, concorda no feminino singular com a palavra tinta que, também, está no feminino singular.

Alternativa C.

2. É correto afirmar que o tema central do texto é a

a. ineficiência dos computadores em provar teoremas matemáticos.
b. dúvida de vários cientistas sobre a exatidão das ciências matemáticas.
c. impossibilidade de checagem das comprovações dos teoremas.
d. importância de não levar em conta as decisões humanas sobre as provas.
e. possibilidade de aprender a lidar com a falta de certezas na Matemática.

D.A. RESOLVE

Além de apresentar a possível falta de exatidão e de certezas  matemáticas, o texto procura evidenciar que, por diversos estudos, matemáticos e cientistas têm concluído que vale muito mais levar em conta o papel das decisões humanas sobre a validade das provas e comprovações matemáticas e enfatiza que tais opiniões nele são destacadas por diversas citações.

Alternativa B.

3. No trecho: “Eles tinham chegado à prova programando um computador para testar todas as possibilidades, e o resultado era um tijolo de mais de 500 páginas impossível de ser checado à mão.”, o termo destacado é corretamente classificado como

a. adjunto adverbial.
b. objeto indireto.
c. adjunto adnominal.
d. sujeito.
e. objeto direto.

D.A. RESOLVE

A Sintaxe trata da função que as palavras têm em uma oração. Todas as alternativas, encontradas nesta questão, apresentam  funções desempenhadas por palavras na oração.

O trecho citado, acima, possui quatro orações: 1ª) "Eles tinham chegado à prova...", 2ª) "... programando um computador...", 3ª) "... para testar todas as possibilidades,..." e  4ª) "... e o resultado era um tijolo de mais de 500 páginas impossível de ser checado à mão.".  Percebe-se a existência de 4 orações, pois há verbos independentes uns dos outros em cada uma delas.

Na 4ª oração, há duas palavras destacadas - o resultado - e será necessário identificar a função que têm,  esta é a solicitação feita pela questão.
Para tanto, identifica-se o verbo: era, 3ª pessoa do singular do pretérito imperfeito do Indicativo do verbo ser. Faz-se a pergunta:  o que era um tijolo...? Resposta: o resultado, sujeito da oração.

Alternativa D.

O texto abaixo se refere às questões de 4 a 6.

Filhos (adotivos) do circo 
Escolas formam nova geração de artistas circenses que reciclam as lições do picadeiro

No passado, artista circense era aquela pessoa que nascia ao redor do picadeiro ou fugia de casa apaixonada pelo malabarista. Casos assim ainda acontecem, mas encontram concorrentes em um mercado de trabalho globalizado e competitivo. São os frutos das escolas de circo, gente que nasceu e cresceu em famílias sem nenhuma relação com esse universo mas que, por algum motivo, resolveu se arriscar sob a lona.
(...)
Não há um levantamento oficial de quantas escolas do tipo existem no país, mas o site especializado Pindorama Circus lista mais de 50, entre profissionalizantes, de lazer e projetos sociais. “Escolas informais sempre existiram sob a lona, para filhos de circenses e agregados. Mas chegou uma época em que as novas gerações começaram a não querer mais ser artistas. Foi o cenário ideal para o surgimento das escolas”, explica Alex Marinho, diretor do Centro de Formação Profissional em Artes Circenses (Cefac).
No Brasil, a primeira escola de circo surgiu em 1978, escondida sob as arquibancadas do estádio do Pacaembu e apoiada pelo governo do Estado. Era a Academia Piolin de Artes Circenses, que, sem incentivos, durou três anos. Em 1982, nasceu a Escola Nacional de Circo, no Rio de Janeiro, a mais antiga em funcionamento. Depois vieram a Circo Escola Picadeiro, em São Paulo, e a Escola Picolino de Artes do Circo, na Bahia.
O currículo da Escola Nacional do Circo, a única mantida pelo Ministério da Cultura, mistura aulas de malabares, acrobacias, perna-de-pau, dança e oficina de palhaço. Os treinamentos, de quatro horas diárias, estendem-se por quatro anos e incluem conhecimentos teóricos de anatomia, história da arte e noções de segurança.
“Estamos com cerca de 150 alunos. Já formamos mais de 220, dos quais uns 180 foram para companhias como Cirque du Soleil, Marcos Frota e Beto Carrero. Outros entraram em grupos como a Intrépida Trupe”, diz Francisco Aramburu Filho, o Chicão, coordenador pedagógico.
(...)
Fonte: COZER, R. Revista da Folha, 720 ed., p. 9, 28 maio 2006.

4. Segundo o texto, o que possibilitou o aparecimento das escolas de circo foi

a. o crescimento do número de pessoas interessadas no circo.
b. a recusa de integrantes de famílias circenses em ser artistas.
c. os incentivos governamentais ao desenvolvimento do circo.
d. o surgimento de novas companhias circenses no Brasil.
e. o crescimento das companhias circenses internacionais.

D.A. RESOLVE

As Companhias Circenses Familiares, ainda, existem e alegram muito pessoas de todas as idades e fazem os adultos voltarem aos tempos de criança. Quanta saudade daquele tempo tão puro, inocente e tão bom!

No entanto, o que se sabe é que bastantes integrantes das famílias circences, das novas gerações, principalmente, não se entusiasmam tanto quanto os mais antigos participantes. Os novos estão interessados em conquistar outros espaços e diferentes profissões.

A grande dificuldade para sobrevivência de muitas companhias familiares está pela falta de incentivo, muitas vezes, e mesmo ausência de locais bem espaçosos para acomodarem toda a comitiva circense e, ainda, espaços para servirem de estacionamento para o respeitável público.

Tem-se, apenas, uma Escola Circense mantida pelo Ministério da Cultura, as demais são independentes e sobrevivem por si mesmas, além de competirem com as de renome internacional que visitam o nosso país.

Alternativa B.

5. Leia o trecho abaixo.

“‘Mas chegou uma época em que as novas gerações começaram a não querer mais ser artistas. Foi o cenário ideal para o surgimento das escolas’...”

De acordo com o contexto, é correto afirmar que o significado da palavra destacada é

a. situação.       b. iniciativa.         c. região.           d. prática.          e. realização.

D.A. RESOLVE

A palavra  destacada - cenário - não quer dizer espaço onde ocorre um fato ou uma ação, nem um conjunto de elementos para servir de palco para uma apresentação. Está empregada significando o motivo, a condição e mesmo a situação.

Alternativa A.

6. No trecho: “O currículo da Escola Nacional do Circo, a única mantida pelo Ministério da Cultura, mistura aulas de malabares, acrobacias, perna-de-pau, dança e oficina de palhaço.” é correto afirmar que o verbo misturar concorda com

a. Escola Nacional do Circo.
b. Ministério da Cultura.
c. currículo.
d. única.
e. dança.

D.A. RESOLVE

As palavras "... a única mantida pelo Ministério da Cultura..." colocadas entre vírgulas, afastam o verbo mistura (3ª pessoa do singular do presente do Indicativo) daquelas com que concorda na 3ª pessoa e no singular, neste trecho e causam o grau de dificuldade esperado.
Deve-se, então, fazer uma pergunta antecedente a ele: o que mistura...? Resposta: O currículo da Escola Nacional do Circo. O núcleo deste sujeito é currículo que está na 3ª pessoa do singular.
Tem-se a regra básica de concordância verbal: o verbo deve concordar em pessoa (1ª, 2ª ou 3ª) e número (singular ou plural) com o sujeito da oração.

Alternativa C.

7. Assinale a alternativa em que o texto está corretamente pontuado.

a. O jornalista tentou mas não conseguiu entrevistar o presidente; dias depois resolveu enviar as perguntas por escrito e desta vez, obteve as respostas.
b. O jornalista tentou, mas não conseguiu entrevistar o presidente. Dias depois, resolveu enviar as perguntas por escrito, e desta vez obteve as respostas.
c. O jornalista, tentou, mas não conseguiu entrevistar o presidente. Dias depois, resolveu enviar as perguntas por escrito, e desta vez obteve as respostas.
d. O jornalista tentou, mas, não conseguiu entrevistar o presidente; dias depois resolveu enviar as perguntas por escrito, e desta vez obteve as respostas.
e. O jornalista tentou mas não conseguiu entrevistar, o presidente. Dias depois, resolveu enviar as perguntas por escrito e desta vez obteve as respostas.

D.A. RESOLVE

A alternativa a. apresenta um primeiro engano ao não se colocar vírgula antes da conjunção MAS que inicia uma oração coordenada sindética adversativa. A colocação do ponto-e-vírgula é uma das possibilidades de pontuação, pois encerrou-se o primeiro pensamento, a primeira informação, no entanto, houve interesse em continuar a exposição de fatos, colocou-se, então, o ponto-e-vírgula e iniciou-se a informação seguinte, com letra minúscula. Nesta alternativa, houve novos enganos: falta de vírgula após a expressão adverbial de tempo dias depois e a outra expressão adverbial de tempo desta vez deveria estar entre vírgulas.
Na alternativa c., engano ao ser colocada vírgula após jornalista. Não se pode usar vírgula para separar sujeito do predicado.
A alternativa d. não poderia apresentar vírgula após a conjunção MAS. O correto seria colocar vírgula antes da conjunção, conforme já se informou neste comentário.
A alternativa e. apresenta os seguintes enganos: falta de vírgula antes da conjunção MAS; não se deve separar o verbo transitivo entrevistar de seu complemento o presidente (objeto direto). Faltou colocar a expressão adverbial de tempo desta vez entre vírgulas.

Alternativa B.


O texto abaixo se refere às questões de 8 a 10.

Quem paga menos seguro de carro?

Alguns pagam cerca de 3 vezes menos para segurar o mesmíssimo carro. Olha só: se você for mulher, já vai gastar até 60% menos do que quem tem o cromossomo Y. As seguradoras usam estatísticas para determinar o que cobram, e entendem que as Penélopes Charmosas evitam ruas ermas e usam mais estacionamentos. Já os homens, além de facilitarem a vida da bandidagem, causam batidas mais fortes, que podem acabar em perda total – e em prejuízo para a seguradora. Agora, se você está pensando em se divorciar, saiba que vai sair dessa com um prejuízo adicional: ser casado garante uma economia de 5%. É que maridos e esposas costumam ter rotinas casa-trabalho-casa, e quem está sozinho quer encontrar gente, ir à balada, e expõe mais o carro a batidas, roubos e furtos. Para as seguradoras, diga-se, motorista é que nem vinho: quanto mais velho, melhor. Por isso, quem tem 18 anos paga o dobro de que quem tem 60. E você, caro leitor da Região Nordeste, não se assuste se, ao mudar-se para São Paulo ou para o Rio, seu seguro aumentar em até 30%. Pois é: além de terem oficinas que cobram mais, as duas ainda contam com mais ladrões de carro. Quer mais? Como os roubos e furtos são mais frequentes em Santo André, São Bernardo, São Caetano e Diadema do que na capital paulista, nessas cidades da Grande São Paulo se paga mais. Ok. Só tem um problema: quem mora no lado Diadema de uma avenida, por exemplo, acaba gastando até duas vezes mais com seguro do que se atravessar a rua e viver em São Paulo. É o CEP que determina os valores. E não tem choro.
Fonte: PAULINO, R. Revista Superinteressante, 225. ed., p. 46, abr. 2006.

8. No trecho: “Olha só: se você for mulher, já vai gastar até 60% menos do que quem tem o cromossomo Y.”, a expressão destacada seria corretamente substituída, na linguagem formal, por

a. por exemplo.     b. repara nisso.     c. portanto.     d. olha essa.       e. entretanto.

D.A. RESOLVE


Linguagem formal ou culta é a manifestação escrita e seguidora de regras e normas linguísticas, diferente da linguagem coloquial, manifestação de nossa comunicação oral com as pessoas.
As alternativas (c) e (e) apresentam conjunções para substituição de olha só, que, imediatamente, percebe-se não representam o mesmo efeito ou sentido.
As alternativas (b) e (d) apresentam expressões da comunicação coloquial e não é o que se solicita.
A resposta certa está na


Alternativa A.


9. No trecho: “... e quem está sozinho quer encontrar gente, ir à balada, e expõe mais o carro a batidas, roubos e furtos.”, a expressão destacada, de acordo com o contexto, tem o sentido de

a. viajar em férias.
b. mudar de vida.
c. dar festas em casa.
d. casar-se novamente.
e. conhecer pessoas.


D.A. RESOLVE


A palavra destacada é um substantivo que representa, sempre, um grupo de pessoas, determinado pelo tamanho que cada um quer dar ou ter. No pequeno trecho, retirado do texto desta prova, apresenta uma situação na qual as pessoas solitárias procuram "enturmar-se", integrar grupos para se manter felizes e até encontrar a sua outra "cara metade" e ser feliz. Frequentar lugares variados para conhecer o maior número de pessoas, fazer amizades e, quem sabe, encontrar a felicidade ao lado de alguém muito especial...

Alternativa E.

10. Segundo o texto, “... quem tem 18 anos paga o dobro de quem tem 60” porque, para as seguradoras, os

a. reflexos dos idosos são menores que os dos jovens.
b. jovens valorizam mais a segurança ao dirigir.
c. idosos têm mais cuidado com a manutenção do carro.
d. jovens têm menos responsabilidade ao volante.
e. idosos não se expõem aos riscos do trânsito.


D.A. RESOLVE


É comum dizer que, quanto mais idade as pessoas têm, mais amadurecidas e cautelosas ficam e dirigem com maior zelo, enquanto que as mais jovens, especialmente, as entre 18 e 25 anos, mais desafiadoras e intrépidas apresentam-se com menos responsabilidade ao volante e são, em maior quantidade, envolvidas em acidentes. Este cenário é o que mais ocorre. No entanto, isto não é regra, pois há muitos jovens muito amadurecidos e certa quantidade de adultos sem muita responsabilidade no trânsito.


Alternativa D.

Os quadrinhos abaixo se referem às questões de 11 a 13.


Fonte: www.niquel.com.br.
11. É correto afirmar que a ideia central dos quadrinhos é a

a. boa estratégia que o rato usou para se libertar.
b. intenção do rato de salvar também o Mickey Mouse.
c. disputa entre os ratos para controlar o robô.
d. chance do rato de destruir o Mickey Mouse.
e. ideia de transformar o Mickey Mouse em robô.


D.A. RESOLVE


No terceiro quadrinho, percebe-se que o rato, já liberto da gaiola, aponta algo em direção de Mickey Mouse que, distraidamente e com aparência feliz, nem percebe que está sendo alvo de uma armadilha do outro rato.
É bem possível que a intenção do rato seja de destruir mesmo Mickey Mouse, pois munido do controle remoto, tomará tal atidude, através do robô. As demais alternativas invalidam plena ou parcialmente a ideia central dos quadrinhos.


Alternativa D.


12. No quadrinho 1, em “Com o controle remoto faço o robô destruir a minha gaiola!”, os termos da oração destacados são corretamente classificados como

a. adjunto adnominal.
b. sujeito.
c. objeto indireto.
d. complemento nominal.
e. objeto direto.


D.A. RESOLVE


As palavras destacadas têm a mesma função. Ao se falar de funções das palavras, em uma oração, tem-se o estudo da Sintaxe.
Sabe-se que o sujeito da oração é o rato, pelo texto apresentado. O primeiro verbo - faço - 1ª pessoa do singular do presente do Indicativo - tem por sujeito EU (no caso, é o rato que está falando ou pensando...).
O verbo fazer não tem sentido completo, é um verbo transitivo que precisa de um complemento para dar-lhe completo e melhor sentido. Então, faço quem? A pergunta feita, após o verbo, mostra que ele (verbo) precisa de um complemento direto. Faço o robô ... Este complemento é um objeto direto, pois completa, diretamente, o verbo fazer, a pergunta foi quem? e foi feita, diretamente, ao verbo, sem preposição.
O verbo destruir, também, não tem sentido completo, é um verbo transitivo, que para completar-se e ter melhor sentido, precisa de um complemento. Destruir o que? Destruir a minha gaiola. Este complemento é, também, um objeto direto, pois completa, diretamente, o verbo destruir, a pergunta foi o que? e foi feita, diretamente, ao verbo, sem preposição.

Alternativa E.


13. As palavras destruir, deu e mesmo são corretamente classificadas, de acordo com o número de sílabas, como

a. trissílaba, monossílaba e dissílaba.
b. trissílaba, dissílaba e trissílaba.
c. dissílaba, monossílaba e dissílaba.
d. dissílaba, dissílaba e monossílaba.
e. trissílaba, dissílaba e dissílaba.


D.A. RESOLVE


A separação silábica de destruir e mesmo é, respectivamente, des-tru-ir e mes-mo.  A palavra deu tem, apenas, uma sílaba, pois se pronuncia de uma só vez.

Alternativa A.


14. Assinale a alternativa que, pela ordem, preenche corretamente as lacunas das frases abaixo:

O garoto ___ podia esperar pelo dia da viagem.
O ___ comportamento do jogador resultou em expulsão.
O berço do bebê estava ___ posicionado no quarto.

a. mal; mau; mal.       b. mau; mal; mal.        c. mal; mal; mau.         d. mau; mal; mau.         e. mal; mau; mau.


D.A. RESOLVE


A palavra MAU pertence à classe dos adjetivos e tem por antônimo (=contrário) a palavra BOM; a palavra MAL é um advérbio e seu antônimo é BEM.
Desta forma, fica mais fácil preencher os espaços com as palavras corretas, usando seus antônimos.
Tem-se, então, BEM, BOM, BEM cujos antônimos são MAL, MAU, MAL.
Entenda-se, também, que os adjetivos dão qualidade ou mostram o estado em que se encontram os seres (=substantivos), enquanto que os advérbios modificam (=indicam uma circunstância) e são usados para modificar os substantivos, os adjetivos, os verbos e os próprios advérbios.

Alternativa A.


15. Assinale a alternativa que não contém nenhum problema de redação.

a. Tentou disfarçar, com tudo não conseguiu.
b. Derrepente sentiu-se amedrontada e correu.
c. Queria competir, mais não gostava de treinar.
d. Embora magra, comia de tudo e a toda hora.
e. Adorou o espetáculo, porisso o recomendou aos amigos.


D.A. RESOLVE


Na alternativa a. o erro está na escrita da palavra com tudo, o correto é contudo, conjunção coordenativa adversativa que exprime ideias contrárias e está ligando ideias de valores diferentes. A forma apresentada, poderia ser empregada no seguinte exemplo:  José preocupava-se com tudo, ou seja com todas as coisas com as quais deveria preocupar-se. 
A alternativa b. apresenta um erro, também: Derrepente, o correto é De repente, advérbio, significando repentinamente, formado da preposição de + repente (=substantivo, que significa ímpeto, impulso).
Na alternativa c., aparece a palavra mais, advérbio de intensidade, que indica quantidade, empregada de forma errada, em lugar de mas, conjunção coordenativa adversativa, para mostrar oposição de ideias.
A alternativa e. registra uma palavra com erro: porisso, o correto é por isso, formado da preposição por + isso, pronome demonstrativo e tem o significado de pelo motivo, pela razão.

Alternativa D.


O texto abaixo se refere às questões de 16 a 18.

Guerra Fria

Por quatro décadas, o mundo acabava toda semana. A paranóia começou no final dos anos 40, quando americanos e soviéticos iniciaram uma disputa econômica, geopolítica e ideológica: comunismo x capitalismo. Para que ninguém precisasse baixar a cabeça para o outro lado, era preciso manter o poder de fogo pau a pau. Resultado: mais de 30 mil bombas nucleares de cada lado do planeta. 
Com tanto poder, eles dividiram o mundo em áreas de influência. Europa Ocidental e Américas orbitavam ao redor de Washignton. Europa Oriental, Cuba e parte da Ásia batiam continência para Moscou. Os gigantes nunca entravam em confronto direto. Mas esse desastre chegou perto uma vez. Foi em 1962, quando os soviéticos instalaram mísseis nucleares em Cuba, a meros 150 quilômetros dos EUA.
Os presidentes John Kennedy e Nikita Kruschev trocaram mensagens tensas, até que o soviético resolveu tirar os mísseis de lá. Em retribuição, Kennedy prometeu nunca invadir a ilha comunista. E o mundo, veja só, não acabou. Parece contraditório, mas isso não aconteceu justamente porque as duas superpotências se armaram demais. A abundância atômica dos dois lados fez com que nenhum deles se metesse a besta de dar o primeiro tiro. O câncer da Guerra Fria acabou extirpado com o fim da União Soviética, em 1991. Mas o das bombas atômicas, você sabe, não teve cura: o planeta ainda carrega mais ou menos 12.500 ogivas nucleares em suas entranhas.
                                                                   Fonte: VERSIGNASSI, A.; BURGIERMAN, D. R. Revista Superinteressante, n. 230

16. A ordem alfabética das palavras paranóia; para; pau e parece é:

a. para; paranóia; parece; pau.
b. paranóia; para; pau; parece.
c. parece; pau; paranóia; para.
d. paranóia; parece; para; pau.
e. para; pau; parece; paranóia.


D.A. RESOLVE


Ordem alfabética está relacionada com nosso Alfabeto e seu número de letras que possibilitam a formação   das palavras em nosso Idioma. Observando-se as palavras citadas, percebe-se que todas começam por PA, então qualquer uma delas PODERIA ser a primeira da ordem alfabética. No entanto, este não é o procedimento correto de se dispor as palavras pela ordem alfabética.
Deve-se observar que LETRA vem depois de PA. Em três palavras é o R e em uma, U. Nota-se, então, que R vem antes de U, em nosso Alfabeto, daí PAU será a última a pertencer à correta ordem alfabética.
Em duas palavras, a letra A vem depois do R, entretanto, na palavra PARA a letra A é a que encerra, imediatamente, a quantidade de letras justapostas e PARANOIA tem o conjunto NOIA de letras a mais.
Então, PARA é a primeira, PARANOIA, a segunda, PARECE, a terceira e PAU, a quarta.

Alternativa A.


17. “O câncer da Guerra Fria acabou extirpado com o fim da União Soviética, em 1991.”
Na frase acima ocorre

a. um eufemismo.
b. um pleonasmo.
c. uma comparação.
d. uma metonímia.
e. uma metáfora.


D.A. RESOLVE

Usa-se a figura de linguagem eufemismo para apresentar uma situação de forma mais amenizada, mais branda, mais suave, que não é o caso do emprego da palavra câncer. Se houvesse a intenção de se ter eufemismo, tal palavra seria substituída por aquela doença ruim, aquele mal terminal, por exemplo.
Pleonasmo é caracterizado por uma repetição desnecessária: meus livros, perdi-os(=meus livros) no Metrô.,  desde que não agressiva, como são os pleonasmos viciosos: entrei para dentro, saí para fora.
Comparação estabelece a semelhança ou identidade entre dois elementos,entre dois seres: José é inteligente como o irmão (=é inteligente).
Metonímia caracteriza-se pelo estabelecimento de relações entre os seres, entre os elementos. Pode ser de vários tipos: efeito pela causa (= a passarada ficou sem as sombras pelas novas construções surgidas), de continente pelo conteúdo (minha fome era tanta, que comi dois pratos), de matéria pelo instrumento (=o presente era ouro puro; os metais da orquestra estavam afinados), dentre muitas outras...
Neste exemplo, tem-se METÁFORA, pois foi feita uma comparação mental: Um grande mal, um grande prejuízo, algo terminal, algo extremamente prejudicial comparado a um câncer...

Alternativa E.


18. O acordo firmado entre os presidentes John Kennedy e Nikita Kruschev foi o seguinte:

a. John Kennedy tiraria seus mísseis de Cuba e Nikita Kruschev não mais ameaçaria a ilha comunista.
b. Europa Ocidental e Américas apoiariam os Estados Unidos, ao passo que Europa Oriental, Cuba e parte da Ásia seriam aliadas da União Soviética.
c. Nikita Kruschev tiraria seus mísseis de Cuba e John Kennedy não mais ameaçaria a ilha comunista.
d. Europa Ocidental e Américas apoiariam a União Soviética, ao passo que Europa Oriental, Cuba e parte da Ásia seriam aliadas dos Estados Unidos.
e. Estados Unidos não poderiam atacar a União Soviética, e vice-versa, visto que ambos possuíam muitas armas.


D.A. RESOLVE


O 4º parágrafo do texto Guerra Fria apresenta, com clareza, o conteúdo da alternativa correta, para isso basta ler as duas primeiras linhas do referido parágrafo.

Alternativa C.


19. “Já tiveste ocasião de observar uma trovoada seca? Pois, meu amigo, fui, certa vez, surpreendido por uma delas e confesso-te que não desejo renovar a impressão que me deixou o medonho espetáculo. É de aterrar, acredita.”
Fonte: NETO, C. Contos da vida e da morte. Porto: Chardron, 1927, p. 13.

Se substituirmos o pronome tu por você, as palavras destacadas da passagem acima teriam de ser modificadas para:

a. tivestes; confesso-vos; acreditai.
b. teve; confesso-lhe; acredite.
c. tiveram; confesso-lhes; acreditam.
d. teve; confesso-o; acredite.
e. tiveste; confesso-lhe; acreditem.


D.A. RESOLVE


O pronome de tratamento VOCÊ é muito usado de maneira informal, na comunicação coloquial (=falada ou oral) e, embora esteja referindo-se à pessoa com quem se conversa, pede concordância verbal na 3ª pessoa do singular.
Eu tive, tu tiveste, ele (você) teve (=pretérito perfeito do Indicativo, ação acontecida); confesso a você (=lhe) o verbo confesso está na 1ª pessoa do singular do presente do Indicativo; o verbo acreditar está no modo Imperativo afirmativo, forma muito comum, usada para dar ordem ou comunicar um fato de forma determinante. A 2ª pessoa, tu, é retirada do presente do Indicativo -- tu acreditas -- e retira-se o S de sua terminação: acredita tu. Se houver a mudança para VOCÊ, que pede verbo na 3ª pessoa, deve-se usar o presente do Subjuntivo nesta pessoa: acredite.

Observações: o modo Imperativo, seja afirmativo ou negativo, não tem a 1ª pessoa do singular (eu), pois ninguém dá ordem para si, iniciam-se ordens ou determinações para as pessoas com quem se dialoga.
O Imperativo afirmativo tem a seguinte formação: 2ª pessoa do singular e 2ª do plural formam-se do presente do Indicativo, retirando-se o S de suas terminações: acredita tu e acreditai vós; a 3ª do singular, a 1ª do plural e a 3ª do plural formam-se do presente do Subjuntivo: acredite você, acreditemos nós, acreditem vocês.
O Imperativo negativo forma-se, exclusivamente, do presente do Subjuntivo, a partir da 2ª pessoa do singular, sem retirar letra nenhuma: não acredites tu, não acredite você, não acreditemos nós, não acrediteis vós, não acreditem vocês.
Nota-se que a ordem, representada pelo verbo, vem antes de quem vai recebê-la e a pessoa, que vai receber a ordem estará representada pelos pronomes: tu, você, nós, vós, vocês.
Não esquecer que VOCÊ e VOCÊS são pronomes de tratamento e não são pronomes pessoais do caso reto. O emprego destes pronomes é muito comum em algumas regiões brasileiras, substituindo os tradicionais pronomes pessoais do caso reto: TU e VÓS.

Alternativa B.


20. Assinale a alternativa que, pela ordem, preenche corretamente as lacunas abaixo.

____ três dias ele não vem trabalhar.
____ máquina nem sempre funcionava.
____ noite vamos conhecer sua nova casa.

a. À - A - A         b. Há - À - A        c. Há - A - À            d. A - Há - A            e. A - A - À


D.A. RESOLVE


A 1ª alternativa apresenta a ideia de tempo, usa-se, pois, o verbo HAVER, no sentido de FAZER, uma vez que a 1ª oração: "_______ três dias..." tem sujeito inexistente, conhecida, também, por oração sem sujeito. Tem-se, então: "Há três dias..." = Faz três dias...
Na 2ª alternativa, a palavra que vai preencher de forma correta o sentido da oração é A (=artigo definido, feminino singular), referindo-se à máquina, que é um substantivo e vai concordar com ela em gênero (=feminino) e número (=singular). Para facilitar o entendimento desta orientação, basta trocar a palavra máquina pela palavra maquinário (= substantivo masculino, singular) e ficaria: O maquinário nem sempre funcionava. Observa-se que o sentido desta oração é pleno de entendimento, fica com sentido completo: o A foi trocado por O (artigo definido, masculino, singular) e notou-se que houve o emprego do artigo definido.
Na 3ª alternativa, tem-se o entendimento de que um período de tempo está sendo manifestado, indicando que naquele período, "... nós vamos conhecer sua casa nova.". Tem-se, então, a locução adverbial feminina À NOITE, que indica o relativo período de tempo referido. Toda locução adverbial feminina é formada da fusão da preposição A com o artigo definido feminino singular A, constituindo CRASE: À.

Alternativa C.


MATEMÁTICA

21. Uma loja comprou 9.100, pregos que irá vender em pacotes com 140 pregos cada um. Se o preço de cada pacote de pregos é de R$ 12,00, o valor recebido pela venda de todos esses pacotes será de

a. R$ 750,00.        b. R$ 780,00.        c. R$ 800,00.        d. R$ 820,00.         e. R$ 860,00.


D.A. RESOLVE


O Primeiro passo é utilizar uma regra de três simples e direta para calcular quantos pacotes de 140 pregos são possíveis embalar se o total de pregos disponíveis são 9.100. Vê-se:




Sabe-se, então, que são 65 os pacotes com 140 pregos. O segundo passo é calcular utilizando, novamente, uma regra de três simples e direta o valor recebido pela venda de todos os pacotes de pregos. Tem-se:



Alternativa B.


22. O resultado do Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo (SARESP) 2004, mostra que somente 2/3 dos alunos da 1a série do Ensino Fundamental terminam o ano letivo sabendo ler e escrever. Numa região em que temos 1.638 alunos na 1a série, o número de alunos dessa série que terminam o ano letivo não sabendo ler e escrever é de

a. 478.          b. 492.         c. 514.          d. 528.           e. 546.


D.A. RESOLVE


O primeiro passo é aprender o conceito de frações de um todo. Para se descobrir uma parte de um todo basta dividi-lo pelos número de partes que se deseja. Esse valor que se utiliza para dividir o todo fica na posição de baixo da fração e é chamado denominador. A gora quando se toma mais de uma parte destas em que o todo foi dividido esse valor se localiza na posição de cima da fração. Exemplo:




Quando se tem uma fração do em todo o que restou desse todo é encontrado subtraindo-se dele essa fração do todo que se tem, vê-se:




Para se calcular uma fração de um todo basta obter o produto desse todo pela fração, vê-se:




Agora, sabe-se como aplicar o conceito de fração. O segundo passo é calcular quantos são os alunos da 1ª série que não sabem ler e escrever? Tem-se:




O número de alunos da região que cursaram a 1ª série e não sabem ler e escrever é 546.

Alternativa E.


23. Uma costureira para fazer 18 agasalhos gasta 32,4 m de tecido. Como resolveu fazer mais cinco agasalhos, a quantidade total de tecido que ela gastou foi de

a. 48,2 m.            b. 46,6 m.            c. 45,8 m.            d. 43,9 m.            e. 41,4 m.


D.A. RESOLVE


Perceber-se que as grandezas, número de agasalhos e quantidade de tecidos são diretamente proporcionais. Quando uma aumenta a outra, também, aumenta e quando uma diminui a outra, também diminui. Quando as grandezas são diretamente proporcionais o cálculo da regra de três é obitido por uma multiplicação em cruz de seus termos, tem-se:




A quantidade de tecido utilizada para produzir 23 agasalhos foi de 41,4 m.

Alternativa E.


24. O corredor de um casarão tem o formato abaixo.


A área desse corredor, em metros quadrados, é igual a   

a. 24.           b. 22.            c. 20.              d. 18.              e. 16.

D.A. RESOLVE


O primeiro passo é dividir esse corredor em dois retângulos, pois a área do retângulo é o produto entre a sua largura (altura) e seu comprimento (base), tem-se:


O segundo passo é utilizar o conceito de área do retângulo e calcular as áreas A1 e A2, tem-se:


O terceiro passo é calcular a área de corredor composta pelas áreas A1 e A2, para isso basta somá-las, tem-se:


O corredor do casarão tem 18 .

Alternativa D.


25. Um farol marítimo emite um sinal luminoso a cada 8 segundos. O total de sinais luminosos que o farol emite em 3 horas e 18 minutos é

a. 1.475.         b. 1.480.        c. 1.485.        d. 1.490.         e. 1.495.


D.A. RESOLVE


O primeiro passo é converter 3 h e 18 minutos em segundos tem-se:


O segundo passo é descobrir quantos sinais são dados pelo farol em 11.880 s, sabendo que a cada 8 s ele emite um sinal, tem-se:


Em 3 h e 18 min o farol emite 1.485 sinais.

Alternativa C.


26. Um pesquisador recebeu como tarefa entrevistar 192 pessoas. Sabe-se que ele entrevistou a mesma quantidade de pessoas a cada dia trabalhado e que após seis dias de trabalho ainda tem que entrevistar 36 pessoas para terminar a tarefa. Então a quantidade de pessoas que ele entrevistou por dia trabalhado foi de

a. 27.         b. 26.        c. 25.         d. 24.         e. 23. 


D.A. RESOLVE


O primeiro passo é nomear como x a quantidade de pessoas entrevistadas a cada dia.

O segundo passo é calcular o total de pessoas entrevistadas em seis dias de trabalho, sabendo que para terminar a tarefa (entrevistar 192 pessoas) ainda faltam 36 entrevistas, tem-se:


O total de pessoas entrevistadas em 6 dias foi de 156 pessoas.

O terceiro passo é entender que esse número de pessoas entrevistadas nos 6 dias, também, pode ser calculado pelo produto de 6 dias e o número de pessoas entrevistadas ao dia, então:


Desta forma, o número de entrevistados ao dia foi de 26 pessoas.

Alternativa B.


27. O gráfico abaixo mostra a evolução da taxa de desemprego total no período de julho/2005 a julho/2006.


Fonte: adaptado de: Fundação Seade/Dieese.

Pela análise do gráfico, pode-se afirmar que

a. de jul/2005 a set/2005 a taxa de desemprego estava diminuindo tanto na região metropolitana de São Paulo quanto na região do grande ABC.
b. na região do grande ABC a taxa de desemprego se manteve em crescimento no período de maio a julho/2006.
c. no período de jul/2005 a jul/2006 a taxa de desemprego na região metropolitana de São Paulo só teve queda.
d. no período de jul/2005 a jul/2006 a taxa de desemprego na região do grande ABC ficou reduzida pela metade.
e. na região metropolitana de São Paulo (RMSP) a taxa de desemprego teve crescimento acentuado no período de abril a julho/2006.


D.A. RESOLVE


Analisa-se o gráfico:


Pela análise, no período de julho a setembro de 2005, tanto a região metropolitana de São Paulo, como o grande ABC tiveram o desemprego diminuído.

Alternativa A.


28. A pontuação de um torneio de futsal amador foi definida conforme tabela abaixo.


Uma equipe que venceu três jogos, empatou dois e perdeu quatro, obteve um total de

a. 6 pontos positivos.
b. 4 pontos positivos.
c. 0 ponto.
d. 2 pontos negativos.
e. 4 pontos negativos.


D.A. RESOLVE


O primeiro passo é traduzir a soma algébrica dos pontos, referentes às partidas disputadas pela equipe, em forma de expressão numérica, tem-se:


Desta forma, o total de pontos alcançado pela equipe foi de 4 pontos positivos.

Alternativa B.


29. Levantamento feito pelo Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) mostra que 7/10 das empregadas domésticas do Estado de São Paulo não têm registro em carteira. Num grupo de 970 domésticas, o número daquelas que têm registro em carteira de trabalho é de

a. 272.        b. 283.        c. 291.         d. 300.           e. 317.


D.A. RESOLVE


O primeiro passo é saber quantas das 970 domésticas não possuem registro em carteira, tem-se:


Sabe-se, então, que o total de empregadas domésticas sem registro em carteira é 679.

O segundo passo é calcular o número de empregadas domésticas que possuem registro em carteira, tem-se:


Então, o número de domésticas com registro em carteira é 291.

Alternativa C.


30. Os eleitores de um município estão divididos em três zonas eleitorais, na primeira zona estão 5/18 dos eleitores e na segunda zona 7/18. A fração que representa o número de eleitores da terceira zona é

a. 1/2.           b. 4/9.            c. 7/18.           d. 1/3.           e. 5/18.


D.A. RESOLVE


O primeiro passo é representar o total de eleitores em forma de fração com denominador 18, tem-se:


O segundo passo é descobrir a fração de eleitores que corresponde a 3ª zona eleitoral, tem-se:


O terceiro passo é simplificar o denominador e o numerador da fração por 6, tem-se:


A fração que corresponde aos eleitores da 3ª zona eleitoral é 1/3.

Alternativa D.


31. Três pessoas, de uma mesma família, subiram, individualmente, numa balança digital, e o visor indicou 78 quilos e 800 gramas para o pai, 64 quilos e 900 gramas para a mãe e 42 quilos e 700 gramas para o filho. Se todos subissem ao mesmo tempo na balança o visor indicaria

a. 175,6 kg.     b. 178,3 kg.      c. 180,4 kg.      d. 184,3 kg.      e. 186,4 kg.


D.A. RESOLVE


O primeiro passo é avaliar qual a massa total da família, tem-se:


O segundo passo é converter as 2.400 g para quilogramas, tem-se:


O terceiro passo é somar os valores em encontrados em quilogramas, tem-se:


A massa total da família é 186,4 kg.

Alternativa E.

32. Um rolo de plástico de 25,2 m de comprimento, com estampas do Brasil, e de largura fixa, foi cortado em 12 pedaços de mesmo comprimento, para fazer bandeiras. Nessas condições, o comprimento de cada bandeira será de

a. 2,1 m.         b. 2,4 m.         c. 2,9 m.        d. 3,2 m.          e. 3,4 m.


D.A. RESOLVE


Basta fazer a divisão, tem-se:


O comprimento de cada bandeira será 2,1 m.

Alternativa A.


33. A área de lazer de um condomínio tem o formato de um trapézio agrupado com um quadrado, conforme figura abaixo.


A área de lazer desse condomínio mede

a. 206 .      b. 204 .      c. 202 .       d. 200 .       e. 198 .

D.A. RESOLVE


O primeiro passo é separar a área de lazer em duas áreas conhecidas, um quadrado e um trapézio, tem-se:


O segundo passo é calcular as áreas A1 e A2 separadamente, tem-se:


O terceiro passo é calcular a área total de lazer somando A1 com A2, tem-se:


A área de lazer do condomínio tem 206 .

Alternativa A.


34. Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o país tem em torno de 50 telefones celulares em uso para cada 100 habitantes. Desse modo, a razão entre o número de celulares e o número de habitantes pode ser estimada em

a. quatro celulares para cada habitante.
b. dois celulares para cada habitante.
c. um celular para cinco habitantes.
d. um celular para quatro habitantes.
e. um celular para dois habitantes.

D.A. RESOLVE


O primeiro passo é construir a razão descrita, tem-se:


O segundo passo é simplificar a fração e perceber a quantidade de celulares para cada habitante, tem-se:


Percebe-se, então, que para cada dois habitantes existe um celular.

Alternativa E.


35. Uma pessoa que possui cheque especial está com um saldo de R$ 6.000,00 na sua conta bancária. Ela retira R$ 730,00 em dinheiro, deposita um cheque de R$ 183,00 e emite outro no valor de R$ 5.670,00. Após essas operações e a compensação desses cheques, seu saldo será de

a. - R$ 687,00.    b. - R$ 583,00.    c. - R$ 217,00.    d. R$ 1.163,00.    e. R$ 1.243,00.

D.A. RESOLVE


O primeiro passo é identificar os valores positivos e negativos, tem-se:


O segundo passo é calcular o saldo final realizando a soma algébrica dos valores, tem-se:


O saldo final, na conta bancária da pessoa será de R$ 217,00 devedor (negativo).

Alternativa C.

36. Pedro tem uma certa quantia e seu primo José tem R$ 150,00 a mais que ele. Se os dois juntos têm R$ 550,00, então a quantia que Pedro tem é de

a. R$ 200,00.    b. R$ 250,00.    c. R$ 300,00.     d. R$ 350,00.     e. R$ 400,00.


D.A. RESOLVE


O primeiro passo é identificar quem tem a menor quantia e nomeá-la com uma incógnita, tem-se:


O segundo passo é identificar a quantia de José, tem-se:


O terceiro passo é equacionar a situação, vê-se:


O quarto passo é resolver a equação que traduz o problema, tem-se:


Desta forma, a quantia de Pedro é R$ 200,00.

Alternativa A.

37. Numa prova de matemática com 45 testes, um aluno acertou o quádruplo do número de questões que ele errou. Se cada questão certa vale dois pontos, o total de pontos alcançados pelas questões que ele acertou, foi

a. 80.       b. 72.        c. 68.         d. 64.           e. 56.


D.A. RESOLVE


O primeiro passo é identificar o menor número de questões como a incógnita x. Neste caso o número de questões erradas. Tem-se:


O segundo passo é calcular o número de questões certas, tem-se:


O terceiro passo é construir a equação que traduz a situação descrita, tem-se:


O quarto passo é resolver a equação, vê-se:


O quinto passo é determinar o número de questões certas, uma vez que o número de questões erradas é 9. Vê-se:


O sexto passo é calcular o total de pontos obtido pelo acerto de 36 questões, sendo que cada questão vale 2 pontos, tem-se:


O total de pontos alcançado é 72.

Alternativa B.

38. Uma empresa que fabrica meias faz 156 lançamentos de novos modelos por ano. Se durante o ano o número de novos modelos de meias lançados mês a mês é o mesmo, então esse número corresponde a

a. 16.        b. 15.        c. 14.        d. 13.         e. 12.


D.A. RESOLVE


O primeiro passo é interpretar o enunciado. Se o número de novos modelos lançados é igual, mês a mês, e o ano tem 12 meses, uma regra de três pode resolver o problema, vê-se:


Percebe-se, então, que o número de novos modelos criados a cada mês é 13.

Alternativa D.

39. Uma pesquisa mostrou que os salários tiveram, em média, um aumento de 8% em 2006. Aplicando-se essa taxa de aumento percentual a um salário que era de R$ 2.250,00, o novo valor desse salário passará a ser de

a. R$ 2.610,00.    b. R$ 2.650,00.    c. R$ 2.430,00.    d. R$ 2.480,00.      e. R$ 2.520,00.

D.A. RESOLVE


O primeiro passo é identificar a porcentagem como uma fração de um todo, vê-se:


O segundo passo é saber que a tradução para "porcentagem de" em matemática é "porcentagem vezes", tem-se:


Sabe-se, então, que o salário teve um aumento de R$ 180,00.

O terceiro passo é calcular o valor do novo salário, tem-se:


O novo salário será de R$ 2.430,00.

Alternativa C.

40. De acordo com o balanço divulgado pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores, o setor de vendas de veículos zero quilômetro comercializou 417.490 unidades nos três primeiros meses de 2006 contra as 370.954 unidades nos três primeiros meses de 2005. Então, se essa diferença for igualmente distribuída ao longo do primeiro trimestre de 2006, mês a mês, pode-se afirmar que houve um aumento do número mensal de veículos comercializados correspondente a

a. 11.452.       b. 12.178.      c. 13.478.      d. 14.748.       e. 15.512.

D.A. RESOLVE


O primeiro passo é determinar o aumento na venda trimestral de automóveis zero quilômetros, para isso, basta subtrair do total vendido no 1º trimestre de 2006 o total vendido no 1º trimestre de 2005, vê-se:


O segundo passo é determinar o valor do aumento mensal, uma vez que, esse aumento é igual mês a mês, tem-se:


O aumento mensal no 1º trimestre foi de 15.512 unidades.

Alternativa E.

CIÊNCIAS

41. A figura representa uma cadeia alimentar composta por planta, grilo, sapo, cobra e gavião.


Fonte: MACHADO, S. Biologia para o ensino médio. São Paulo: Scipione, 2003.

De acordo com a figura, o grilo é:

a. produtor
b. decompositor.
c. consumidor primário.
d. consumidor secundário.
e. consumidor terciário.


D.A. RESOLVE


Trata-se de uma cadeia alimentar em que temos, no primeiro nível trófico, um produtor, representado pela planta, responsável por produzir a matéria orgânica bruta, através da fotossíntese. No próximo nível trófico, representado pelo grilo, que se alimenta apenas da planta, é o consumidor primário e assim por diante o sapo, cobra e gavião são, respectivamente, consumidores secundário, terciário e quartenário.

Alternativa C.


42. Em um certo lago com 5.000 de água, ocorreu derramamento de dez litros de gasolina proveniente de um caminhão que tombou. A densidade da gasolina é 0,7 g/cm³. A densidade da água é 1,0 g/cm³. Neste caso, a gasolina

a. pode pegar fogo porque fica sobre a água.
b. não queima porque a quantidade de água é muito maior.
c. pode pegar fogo porque mistura-se com a água.
d. não queima porque afunda na água.
e. não queima porque mistura-se com a água.


D.A. RESOLVE


Como a densidade da gasolina, 0,7 g/cm³, é menor do que a da água, 1,0 g/cm³, após o derramamento da gasolina, a mesma, de menor densidade, fica concentrada, acima da água e não se mistura, podendo pegar fogo.

Alternativa A.


43. Quando se inicia o horário de verão, subtrai-se uma hora ao dia, adiantando os relógios.
Ao final desse período, a região do Brasil que adotou o horário de verão terá gasto

a. menos energia elétrica e o dia do término do horário de verão será de 25 horas.
b. mais energia elétrica e o dia do término do horário de verão será de 24,5 horas.
c. menos energia elétrica e o dia do término do horário de verão será de 23 horas.
d. mais energia elétrica e o dia do término do horário de verão será de 24 horas.
e. menos energia elétrica e o dia do término do horário de verão será de 24 horas.


D.A. RESOLVE


O horário de verão, procedimento adotado no Verão, para algumas regiões distantes da linha do Equador, que possuem dias mais longos, serve para poder reduzir os gastos de energia elétrica. Então no Brasil, por exemplo, algumas regiões adotam o horário de verão, adiantando os relógios em 1 hora, ou seja, se o seu relógio marca 13 horas no horário normal, no horário de verão será 14 horas. Portanto ao final desse período, teremos menos gasto de energia elétrica e o dia do término do horário de verão será de 25 horas, pois teremos às 24 horas do dia normal, mais 1 hora de atraso do relógio, porque as 24 horas do último dia do horário de verão temos que atrasar os relógios em 1 hora.

Alternativa A.

44. Ao efetuar uma pesquisa sobre resistência elétrica dos solos, Antônio encontrou as seguintes informações: resistência elétrica é uma grandeza característica do resistor e mede a oposição que seus átomos oferecem à passagem da corrente elétrica.
A unidade de resistência elétrica no Sistema Internacional é o ohm ( Ω ).
Especialistas mediram a resistência de solos, e encontraram os resultados exibidos na tabela abaixo:

Resistência Elétrica do Solo


Fonte: http://www.seed.slb.com/pt/scictr/lab/resist/res_xp2.htm.

Ao analisar a tabela, Antônio concluiu que a resistência elétrica dos solos é

a. maior quando o solo está impregnado de água salgada.
b. menor quando o solo está seco ou com água salgada.
c. maior quando o solo está impregnado com água salgada ou óleo.
d. menor quando o solo está impregnado de óleo ou água salgada.
e. maior quando o solo está seco ou impregnado de óleo.


D.A. RESOLVE

O solo seco ou impregnado de óleo possui resistência muito alta que não pode ser medida, logo, a resistência  do solo nessas situações é maior que a do solo impregnado com água salgada que acusou ser de 96.000 ohms.

Alternativa E.

45. A pressão exercida pelos líquidos é proporcional à altura (h) da coluna de líquido, à densidade (d) do líquido e à aceleração da gravidade (g), como mostra a fórmula:
p = d . g . h
Três frascos iguais, contendo água são colocados sobre uma mesa. No frasco A a altura da água é 0,2 m. No frasco B a altura da água é 0,4 m e no frasco C a altura da água é 0,8 m.
Comparando as pressões da água no fundo dos frascos, podemos dizer que a pressão exercida pela água no fundo do frasco C é igual ao

a. dobro do frasco A e ao triplo do frasco B.
b. triplo do frasco A e à metade do frasco B.
c. quádruplo do frasco B e ao triplo do frasco A.
d. dobro do frasco B e ao quádruplo do frasco A.
e. terço do frasco B e ao quíntuplo do frasco A.


D.A. RESOLVE


O primeiro passo é esquematizar a situação, vê-se:


O segundo passo é interpretar a grandeza física pressão, como o líquido é o mesmo a densidade é igual em todos os frascos. Os três frascos estão no mesmo local, logo, a aceleração da gravidade é a mesma para os três frascos. Apenas as alturas das colunas de líquido é que são diferentes. Dessa forma tem-se:


O terceiro passo é comparar a pressão do frasco C com as pressões dos frascos A e B, tem-se:


Percebe-se que a pressão no frasco C é o quádruplo da pressão no frasco A e o dobro da pressão no frasco B.

Alternativa D.

46. Chama-se energia química a energia produzida por transformações químicas. Energia solar é a energia radiante emitida pelo Sol. Energia eólica é aquela produzida pelos ventos. Energia nuclear é a energia liberada quando determinados átomos são divididos. Energia elétrica é produzida com o movimento ordenado de elétrons dentro de um condutor.
Um exemplo de utilização de energia é observado em alguns automóveis que utilizam álcool ou gasolina como combustível.
O tipo de energia proveniente do álcool e da gasolina utilizado para movimentação dos automóveis é energia

a. eólica.     b. solar.     c. nuclear.        d. química.         e. elétrica.


D.A. RESOLVE


Trata-se de energia química, pois tanto o álcool quanto a gasolina servem como combustíveis. Ocorre à reação química de combustão que libera energia química, gás carbônico e água.

Alternativa D.

47. Sandra preparou um experimento para descobrir as densidades relativas do refrigerante de duas latas de mesma capacidade, as duas com 350 ml de refrigerante, do mesmo tipo, porém um diet, sem açúcar e outro normal, com açúcar. Para isso, colocou as duas latas fechadas e lacradas dentro de um recipiente com água. O resultado está demonstrado na figura:


As latas vazias têm o mesmo peso e o mesmo volume. Então, Sandra concluiu que o refrigerante

a. normal tem densidade equivalente à metade do refrigerante diet.
b. normal tem densidade equivalente ao triplo do refrigerante diet.
c. diet tem densidade menor que o refrigerante normal.
d. diet tem densidade maior que o refrigerante normal.
e. normal tem densidade igual ao refrigerante diet.

D.A. RESOLVE


Na figura, podemos notar que a lata normal fica abaixo da lata diet, isto ocorre pelo motivo do refrigerante normal ter maior densidade do que o diet (menor densidade), afundando mais.
Alternativa C.


48. Em uma aula de Ciências, a professora entregou uma lista com o nome de várias substâncias e suas fórmulas, como abaixo:



A professora explicou: substâncias simples têm somente um tipo de átomo e substâncias compostas tem mais de um tipo de átomo. Então, considerando a tabela, são substâncias simples

a. CO, Zn, C e Na.
b. Zn, C, O2 e Na.
c. HCl, NaOH e CO.
d. O2, Na, CO e C.
e. CO, C, HCl e NaOH.

D.A. RESOLVE


As substâncias Zn, C, O2 e Na são formadas por apenas um tipo de átomo, ou seja, por um único elemento químico que são, respectivamente, zinco, carbono, oxigênio e sódio. Já as substâncias CO, HCl e NaOH são formadas por por mais de um elemento químico, por exemplo, o monóxido de carbono CO possui o elemento carbono (C) e oxigênio (O) na sua molécula.

Alternativa B.


49. Um automóvel percorre uma distância de 45 km num tempo de 30 minutos. Pode-se afirmar corretamente que a velocidade média desenvolvida pelo automóvel é de

a. 85 km/h.      b. 90 km/h.        c. 95 km/h.       d. 100 km/h.        e. 105 km/h.


D.A. RESOLVE


O primeiro passo é entender a grandeza física velocidade média. O deslocamento, variação da posição, descrito por um móvel em um determinado tempo, variação de instantes de tempo, é denominado velocidade média. Tem-se:


O segundo passo é calcular a velocidade média de um automóvel que percorre 45 km (deslocamento) em um tempo de 30 min ( variação de tempo), tem-se:


Alternativa B.

50. João e Maria correm em uma estrada, no mesmo sentido, partindo do mesmo ponto. João está com velocidade de 5 m/s e Maria com 4 m/s. Depois de 10 segundos, a distância entre os dois é de

a. 9 metros.     b. 10 metros.      c. 21 metros.       d. 40 metros.       e. 50 metros.


D.A. RESOLVE


O primeiro passo é esquematizar a situação descrita no problema, tem-se:


O segundo passo é saber que se as velocidades de João e Maria são constantes os movimento são uniformes e seguem a equação horária da posição para o movimento uniforme, tem-se:


O terceiro passo é fazer uso da equação horária da posição e calcular a posição final de João e de Maria, tem-se:


O quarto passo é subtrair a posição da Maria da posição do João para saber-se a distância entre eles, vê-se:


A distância entre Maria e João é 10 m.

Alternativa B.


51. Substâncias polares são as que possuem carga elétrica e tendem a ser dissolvidas em solventes polares, como sal e água (NaCl + H2O).
Substâncias apolares, que não possuem carga elétrica, como a gordura, são dissolvidas em solventes apolares, como cera depilatória e vaselina.
Então, de acordo com as informações acima, pode-se afirmar que

a. semelhante dissolve diferente.
b. substâncias apolares dissolvem sólidos.
c. substâncias polares dissolvem líquidos.
d. água dissolve cera depilatória.
e. semelhante dissolve semelhante.

D.A. RESOLVE


Conforme o enunciado, substâncias polares são dissolvidas em solventes polares e substâncias apolares são dissolvidas em solventes apolares, ou seja, semelhante dissolve semelhante. Se você misturar duas substâncias, uma polar e outra apolar, não vai haver dissolução e sim um mistura heterogênea (de duas fases distintas).

Alternativa E.

52. No Pico Everest, com altitude de 8.500 m, a água ferve a 74 °C. Ao nível do mar a água ferve a 100 °C. Em São Paulo, a temperatura de fervura da água é 97 °C. Então, a altitude aproximada de São Paulo é

a. 8.000 m.         b. 5.000 m.          c. 2.000 m.         d. 800 m.          e. 100 m.

D.A. RESOLVE


Percebe-se que para uma variação de temperatura de 26 °C, ocorre uma variação de altitude de 8.500 m, então, qual seria a variação de altitude para 1 °C de variação de temperatura? Vê-se:


Para cada 1 °C de diminuição na temperatura de fervura da água, aumenta 327 m na altitude, então, como a água em São Paulo ferve a 97 °C, 3 °C a menos que ao nível do mar, tem-se:


Desta forma, São Paulo está a 981 m, acima do nível do mar, que é 0 m, então, a altitude de São Paulo é mais próxima a 800 m.

Alternativa D.


53. Se houver um incêndio na rede elétrica de sua casa, deve ser usado extintor de

a. água pressurizada, por ser mais eficaz para apagar as chamas.
b. espuma de água, por evitar que o oxigênio chegue às chamas.
c. gás carbônico e água, em chamas iniciais, na presença de vento.
d. pó químico seco, porque não conduz corrente elétrica.
e. água pressurizada, porque o alcance do jato é maior.

D.A. RESOLVE


Deve ser usado o extintor de pó químico seco, que não conduz corrente elétrica. Evitando assim curtos-circuitos que poderiam ampliar as chamas na rede elétrica da casa.

Alternativa D.


54. Leia o trecho da música de Jorge Benjor e Arnaldo Antunes:

As árvores
As árvores são fáceis de achar
Ficam plantadas no chão
Mamam do céu pelas folhas
E pela Terra
Também bebem água [...]

Com a frase “Mamam do céu pelas folhas” os autores querem dizer que as

a. árvores absorvem água da chuva pelas folhas.
b. árvores produzem água pelas folhas e pelas raízes.
c. folhas produzem alimento com o auxílio do Sol e do gás carbônico.
d. raízes absorvem água e sais minerais e os transformam em glicose.
e. folhas produzem gás carbônico absorvendo a energia do Sol.

D.A. RESOLVE


A folha é a principal região da planta e realiza o processo de fotossíntese que converte a energia luminosa do sol e o gás carbônico mais água em alimento para as plantas (glicose), oxigênio e vapor de água. Portanto, a frase “Mamam do céu pelas folhas” quer representar, justamente, esse processo de captura dos reagentes necessários para a fotossíntese que darão sustento para a planta.

Alternativa C.


55. O bicarbonato de sódio (NaHCO3), um composto cristalino de cor branca, reage com ácidos, como o do limão, produzindo dióxido de carbono. Essa reação química permite muitas aplicações como, por exemplo, a produção de fermento para bolo, pois o gás

a. oxigênio liberado faz a massa crescer.
b. nitrogênio absorvido diminui a acidez da massa.
c. hidrogênio absorvido diminui gorduras da massa.
d. carbônico liberado faz a massa crescer.
e. amônia liberado diminui a produção de açúcar.


D.A. RESOLVE


Conforme o enunciado, o bicarbonato de sódio, quando reage com um ácido, produz dióxido de carbônico (ou chamado de gás carbônico) que é um gás, servindo, por exemplo, para crescer a massa do pão ou do bolo. 

Alternativa D.


56. Marta deve empurrar um pacote pesado por uma rampa, como mostra a figura:



A rampa é constituída por uma prancha apoiada em suportes. Para facilitar o trabalho de Marta, diminuindo o seu esforço, o ângulo x deve ser de

a. 80°.       b. 50°.        c. 45°.       d. 40°.         e. 30°.

D.A. RESOLVE


O primeiro passo é conhecer o conceito de trabalho de uma força. Uma força realiza trabalho quando a mesma provoca o movimento do objeto, provoca deslocamento ou para um deslocamento. Proporcionando um trabalho motor ou resistente.

O segundo passo é relembrar o conceito de trabalho em função da força e do deslocamento, tem-se:


O terceiro passo é saber que o esforço é traduzido pela força. Para que o esforço seja menor na realização de um mesmo trabalho, elevar a caixa a uma certa altura; é necessário que a rampa seja a maior possível, maior deslocamento. Tem-se:


O quarto passo é saber qual dos ângulos tem o menor seno, tem-se:


Percebe-se, facilmente, que o menor seno descrito no círculo trigonométrico é o (sen 30º), portanto, o maior deslocamento é proporcionado pelo ângulo de 30º o que implica em um esforço menor, na realização do mesmo trabalho.

Alternativa E.


57. O peso de um corpo é determinado multiplicando-se sua massa pela aceleração da gravidade, representados pela fórmula: P = m . g, onde o peso será em Newton (N), massa em quilogramas (kg) e aceleração da gravidade em (m/s²).
Admitindo-se que a gravidade na Terra é de 10 m/s², neste planeta uma pessoa com massa de 50 kg tem peso de

a. 50 N.       b. 100 kg.       c. 100 N.        d. 500 kg.         e. 500 N.

D.A. RESOLVE


O primeiro passo é utilizar a formulação do peso em função da massa e da aceleração da gravidade para calcular o peso da pessoa na Terra, tem-se:


O segundo passo é não confundir a unidade de medida de massa (kg) quilograma com a de peso (N) newton. O peso da pessoa é de 500 N.

Alternativa E.

58. Raios ultravioletas são emitidos pelo Sol e também podem ser emitidos em tubos de lâmpadas fluorescentes. Ao contrário das lâmpadas de filamento, as lâmpadas fluorescentes possuem grande eficiência por emitir mais energia eletromagnética em forma de luz do que calor. Os raios infravermelhos são emitidos por corpos aquecidos. Raios X são capazes de atravessar vários tecidos humanos e revelam os ossos em radiografias. Raios alfa têm pequeno alcance e podem ser barrados por lâmina de alumínio. Microondas são ondas eletromagnéticas com comprimentos de onda maiores que os dos raios infravermelhos, mas menores que o comprimento de onda das ondas de rádio.
Analisando as informações, uma lâmpada comum incandescente, acesa, tem seu bulbo de vidro muito quente devido às radiações

a. do tipo alfa.
b. ultravioletas.
c. infravermelhas.
d. das ondas de rádio.
e. das microondas.

D.A. RESOLVE


A lâmpada comum de filamento produz luz por meio do aquecimento de um corpo, o filamento, logo, emite ondas infravermelhas responsáveis pela presença da luz em seu interior.

Alternativa C.


59. A velocidade de propagação do som a 25 °C no ar é 346 m/s e na água é de 1.498 m/s. Uma explosão na superfície da água do mar será ouvida mais rapidamente por uma pessoa

a. imersa na água a 100 metros da explosão.
b. sobre a água a 50 metros da explosão.
c. em um barco a 30 metros da explosão.
d. em submarino imerso a 150 metros da explosão.
e. sobre a água a 100 metros da explosão.

D.A. RESOLVE


O primeiro passo é identificar quantas vezes a velocidade do som é maior na água que no ar, percebe-se, facilmente que a velocidade do som na água é mais de 4 vezes maior que no ar.

O segundo passo é partir do conceito de velocidade para encontrar o tempo gasto pelo som nos dois meios descritos, tem-se:


Percebe-se, então, que para o tempo de deslocamento do som ser o menor é necessário que a velocidade seja maior. Como a velocidade do som na água é mais de 4 vezes maior o menor deslocamento do som na água é o menor para a pessoa escutá-lo.
Desta forma, uma pessoa submersa a 100 m da explosão a escutará mais rapidamente.

Alternativa A.

60. O esquema mostra um processo importante na preservação da vida na Terra:



O processo esquematizado na figura é a

a. fotossíntese e tem a finalidade de fabricar oxigênio.
b. fotossíntese e tem a finalidade de fabricar glicose.
c. respiração e tem a finalidade de fabricar oxigênio.
d. fermentação e tem a finalidade de fabricar glicose.
e. fermentação e tem a finalidade de fabricar oxigênio.

D.A. RESOLVE


O processo mostrado no esquema é a fotossíntese, em que ocorre nos cloroplastos das células das folhas, na qual o gás carbônico e água, na presença de luz, são convertidos em glicose, oxigênio e vapor de água. A glicose e o oxigênio servem para dar o sustento energético para todo o corpo da planta, através da respiração celular e, ainda, a glicose produzida serve para sintetizar outras substâncias para o crescimento e desenvolvimento da planta.

Alternativa B.

3 comentários:

  1. Olá sou acadêmica do curso de matemática e estou com problemas na realização de um trabalho de Física. Alguem poderia me ajudar?
    Preciso de definição de Movimento Relativo em uma e duas dimensões de forma sucinta. e um exercio que o exemplifique. aguardo retorno. Keli Araujo
    email: keliaraujo@pop.com.br

    ResponderExcluir
  2. Eu prestei um concurso pro senai do dia 24, cuja prova em questão foi essa.
    Acertando 50 questões desta prova é possivel a minha apuração?

    ResponderExcluir
  3. Prezado Gabriel,

    agradecemos pelo contato e por ter visitado nosso "site". Cadastre-se em nosso "site":Caixa Amigos do Conhecimento para ter dúvidas escolares resolvidas, gratuitamente.
    Sobre sua dúvida é melhor você acessar o site do SENAI (pesquise no Google - SENAI / SP) e conseguir o telefone da escola, onde fez a prova e perguntar sobre esta possibilidade. Sucesso !!

    ResponderExcluir

Para confirmar seu interesse, informe a questão, o nome da prova, seu nome completo e e-mail pessoal.
Se preferir, mande-nos as informações para nosso e-mail: desafio.alfa@gmail.com .

DAXIANOS DO CONHECIMENTO - SEJA MAIS UM...

DAX'S PUBLICAÇÕES

Professores Responsáveis

  • Prof. Edson Gallina
  • Prof. Reginaldo Nofoente Duran