NO ESPAÇO EM BRANCO, ABAIXO, COLOQUE ASSUNTOS DE SEU INTERESSE E PESQUISE.

VISITÔMETRO DO DAX

Matemática - Probabilidade e Estatística (Frequência)

31/03/2010 - Tânia Rosa disse...
 
Os dados da tabela abaixo, que apresenta as freqüências acumuladas das idades de 20 jovens entre 14 e 20 anos.
 
IDADE----------- F. ACUMULADA 
14 -------------------- 2 
15 -------------------- 4 
16 -------------------- 9 
17 ------------------- 12 
18 ------------------- 15 
19 ------------------- 18 
20 ------------------- 20 
 
Um desses jovens será escolhido ao acaso. Qual a probabilidade de que o jovem escolhido tenha menos de 18 anos, sabendo que esse jovem terá 16 anos ou mais? 
 
(A) 8/14 (B) 8/16 (C) 8/20 (D) 3/14 (E) 3/16
06/04/2010 - CCDA RESOLVE

Boa tarde, Tânia Rosa. Sou Reginaldo, Professor de Física e Matemática do CCDA, vou ajudá-la em sua dúvida que trata do conceito de probabilidade e frequência em estatística. Faço isto em consideração a sua pessoa que teve o trabalho de nos enviar esta dúvida, mas a próxima só responderei se você nos enviar seu e-mail e se cadastrar em amigos do conhecimento.

Primeiramente é necessário saber que a frequência acumulada mede a quantidade de elementos até o presente momento, então, significa que 2 é a quantidade de jovens con 14 anos; 4 é a quantidade de jovens com 14 e 15 anos, desta forma são 2 com 15 anos; 9 é a quantidade de jovens com 14, 15 e 16 anos, 2 de 14 anos, 2 de 15 anos e 5 de 16 anos; assim sucessivamente.

Percebe-se, facilmente, que jovens com 16 ou mais anos e menos de 18 anos são:
Como o total de jovens são 20 o que mostra o número de elementos do espaço amostral da pesquisa e 8 é o número de elementos do evento considerado como padrão a probabilidade é a razão entre o número de elementos do evento considerado e o numero de elementos do espaço amostral. Calcula-se:


Tânia Rosa, espero tê-la ajudado em sua dúvida. Qualquer dificuldade no entendimento dos conceitos mande-nos em forma de outra dúvida. Não esqueça de cadastrar-se em amigos do conhecimanto e de enviar seu e-mail juntamente com as outras dúvidas.

Matemática - Função Logarítmica

24/03/2010 - Mayara Tavares disse... 
 
Para medir a quantidade de gordura em quilocalorias (kcal), para uma pessoa que consome alimentos preparados por um nutricionista é usada a seguinte fórmula: 
Onde N é o número de quilocalorias contido em cada grama do alimento, e P a quantidade de alimento consumida. Se 1 g de um desses alimentos contém 5,4 kcal, qual a quantidade de gordura, em kcal , existente em 450 g desse alimento?  
30/03/2010 - CCDA RESOLVE
Boa tarde, Mayara. Sou Reginaldo, Professor de Física e Matemática do CCDA, vou ajudá-la em sua dúvida que trata do conceito de função logarítmica. Neste caso a quantidade de gordura G é uma função logarítmica do produto (N . P). Basta substituir os valores. Calcula-se:
Deve-se decompor o número 1215 em fatores primos (fatorar). Vê-se:
Substitui-se os valores encontrados e aplica-se as propriedades do logaritmo (logaritmo do produto = a soma dos logaritmos e logaritmo da potência = expoente cai a frente multiplicando o logaritmo), tem-se:
Ao ingerir 450 g do alimento a pessoa estará ingerindo 323 kcal de gordura.
Mayara, espero tê-la ajudado. Qualquer dificuldade no entendimento dos conceitos mande-nos em forma de outra dúvida.

Português - Adjunto Adnominal / Complemento Nominal

17/03/2010 - Pedro Tárcio disse:

A invasão "DO SUPERMERCADO" foi impedida pelo gerente. É complemento nominal ou adjunto adnomial?
Ana tem medo "DE ERRAR". -   É complemento nominal ou adjunto adnomial?
Ele tem amor "DE PAI"  - É complemento nominal ou adjunto adnomial?
Explique-me: como não confundir um com outro?

23/03/2010 - CCDA RESOLVE

Boa tarde, Pedro Tárcio, sou Edson, Professor de Português do CCDA e vou resolver esta dúvida para você.

Antes de tudo, é necessário entender que adjunto adnominal é uma série de "enfeites" que os substantivos recebem para deixá-los mais expressivos e atraentes, deixando as orações mais bonitas e melhor explicadas. Estes enfeites pertencem às seguintes classes gramaticais: adjetivos, artigos, numerais, pronomes indefinidos, pronomes possessivos, pronomes demonstrativos e locuções adjetivas. São palavras colocadas, apenas, para "enfeitar".

Complemento nominal é uma ou mais palavras que completam o sentido de substantivos e adjetivos, sem sentido completo e que precisam de complementos. O substantivo ou o adjetivo é tão sem sentido que será necessário fazer perguntas a ele para se ter um complemento, uma informação a mais, para, aí sim, a oração ficar com sentido completo.  

Observem-se as orações e seus elementos destacados e entre aspas:

A invasão "DO SUPERMERCADO" foi impedida pelo gerente. Parece-nos que, neste caso, a oração apresenta-se com engano. O correto é: A invasão ao supermercado foi impedida pelo gerente. Nota-se que, quando se fala a invasão foi impedida pelo gerente , falta uma informação. Será que a invasão foi à casa? À loja? Ao açougue? Ao armazém? Fica uma dúvida. Então, para melhor esclarecer, será preciso perguntar: Invasão a que? R.: ao supermercado. Conclui-se, então, que este complemento em azul é fundamental para explicar algo mais definido sobre a invasão. Tem-se, assim, complemento nominal.

Ana tem medo "DE ERRAR". Pelo mesmo raciocínio, tem-se: medo de que? R: Medo de errar. A palavra medo não tem sentido completo, automaticamente, será necessário fazer a pergunta de que? Tem-se, também, complemento nominal.

Ele tem amor "DE PAI".  No exemplo, o que se percebe é que "DE PAI" é algo inerente ao amor, próprio do pai que tem amor pelos filhos. O pai tem amor PATERNO pelos filhos. Observa-se, então, que  "DE PAI" é uma locução adjetiva  e pode-se trocar por paterno, um adjetivo. Assim, e neste caso, tem-se adjunto adnominal.

Espero ter ajudado.

Português - Redação - Orientações e Indicação de Livro

                                       26/03/2010 - Robson Santos da Silva disse...




Olá professor Edson,tudo bem? Aqui quem está falando é o Robson Santos Da Silva, ex-aluno.
Gostaria de saber se o senhor poderia me indicar um livro sobre como elaborar uma redação.


Grato.


06/04/2010 - CCDA RESOLVE

Bom dia, Robson. Sou Edson, Professor de Português do CCDA e vou ajudá-lo, apresentando uma sugestão.

Sabe-se que existem muitos manuais para orientar à redação, no entanto, são muito técnicos, cada um apresentando um estilo e parece-me desapropriados para este momento em que você desperta para escrever.

Escrever é uma prática e passa-se a ter gosto. O importante é começar sem medo, ser claro, objetivo e procurar escrever de forma que cause interesse a quem for ler. O primeiro e mais importante leitor, sempre, será você. É preciso reconhecer seu estilo. Portanto, mãos à obra.

Como eu disse, os manuais são muito técnicos. Sugiro um livro de Português, contendo orientação para redação, além de toda gramática de nosso idioma: PORTUGUÊS, Faraco & Moura, da antiga Editora Ática. Não compre um livro novo, vá a um SEBO que deve estar saindo por, aproximadamente, R5,00. Vale a pena, são profissionais muito sérios...

Espero ter ajudado. Diga-nos se encontrou. Caso contrário, posso ver próximo à nossa Escola, pois existem muitos SEBOS nas imediações.

Português - Emprego dos Pronomes Relativos I I

16/03/2010 - Gilmário Barbosa disse...


Asinale a opção que preenche corretamente as lacunas correspondentes:

A arma____ se feriu desapareceu./Aqui está a foto___ me referi./ Era um amigo de infância___nome não me lembrava. /Passamos por uma fazenda___ se criam búfalos.

a) que- de que - cujo - que

b) com que - que - cujo qual - onde

c) com que - a que - de cujo - onde

d) que - cujas - do cujo - na cuja

e) com a qual - de que - do qual - onde



23/03/2010 - CCDA RESOLVE

Bom dia, Gilmário, sou Edson, Professor de Português do CCDA e vou resolver esta dúvida para você.

Os pronomes relativos são palavras que substituem as palavras a que se referem (= pronomes) e, sempre, estão perto delas, relacionando-se com elas (= relativos), daí, pronomes relativos. Os mais usados:

Que = o qual, a qual, os quais, as quais; Quem= o qual, a qual, os quais, as quais; Cujo, cuja, cujos, cujas = do qual, da qual, dos quais, das quais; Onde = no qual, na qual, nos quais, nas quais.

CUIDADO COM O SEUS EMPREGOS. EM TODOS ELES TEM-SE QUE OBSERVAR A REGÊNCIA DOS VERBOS. REGÊNCIA É A FORMA COMO OS VERBOS PEDEM COMPLEMENTOS. É PRECISO OBSERVAR AS PERGUNTAS QUE OS VERBOS FAZEM. ATENÇÃO REDOBRADA PARA CUJO, CUJA, CUJOS, CUJAS.

Sobre sua dúvida:
A arma____ se feriu desapareceu./Aqui está a foto___ me referi./ Era um amigo de infância___nome não me lembrava. /Passamos por uma fazenda___ se criam búfalos.

Desdobrando-se, ou melhor explicando, tem-se:

Alguma pessoa feriu-se com a arma. Aqui está a foto e eu me referi à foto. Era um amigo de infância e eu não me lembrava mais do nome dele. Passamos por uma fazenda e na fazenda criam-se búfalos.

Observam-se muitas preposições, nas frases, acima, e todas elas escritas em azul. Tais preposições são muito importantes para se saber sobre a regência dos verbos, pois todos eles pedem tais preposições e, ao serem empregados com pronomes relativos, é preciso manter tais preposições ou encontrar pronomes relativos que já as embutem (= têm dentro deles).

Observa-se, ainda, que as palavras que vêm, após as preposições em azul, vão ser substituídas por um dos pronomes relativos, apresentados logo no começo de minha explicação. Cuidados devem ser tomados com os pronomes cujo, cuja, cujos, cujas, que eles substituem a palavra anterior e referem-se, também, à palavra que vem depois deles. 

Alternativa correta: C.

Espero ter ajudado.

Português - Emprego dos Pronomes Relativos I

16/03/2010 - Gilmário Barbosa disse...


Assinale a letra correspondente à alternativa que preenche corretamente as lacunas:

O projeto,_____ realização sempre duvidara, exigiria toda a descrição____ fosse capaz.

a) do qual a - que

b) cuja a - da qual

c) de cuja - de qual

d) que sua - de cuja

e) cuja - a qual


22/03/2010 - CCDA RESOLVE

 Boa tarde, Gilmário, sou Edson, Professor de Português do CCDA e vou resolver mais esta dúvida sua.

Os pronomes relativos são palavras que substituem as palavras a que se referem (= pronomes) e, sempre, estão perto delas, relacionando-se com elas (= relativos), daí, pronomes relativos. Os mais usados:

Que = o qual, a qual, os quais, as quais; Quem= o qual, a qual, os quais, as quais; Cujo, cuja, cujos, cujas = do qual, da qual, dos quais, das quais; Onde = no qual, na qual, nos quais, nas quais.

CUIDADO COM O SEUS EMPREGOS. EM TODOS ELES TEM-SE QUE OBSERVAR A REGÊNCIA DOS VERBOS. REGÊNCIA É A FORMA COMO OS VERBOS PEDEM COMPLEMENTOS. É PRECISO OBSERVAR AS PERGUNTAS QUE OS VERBOS FAZEM. ATENÇÃO REDOBRADA PARA CUJO, CUJA, CUJOS, CUJAS.

A resposta para sua dúvida é a letra C. Explica-se:

Vamos à dúvida:
O projeto,_____ realização sempre duvidara, exigiria toda a descrição____ fosse capaz.

Alguém duvidara da realização do projeto; a realização exigiria uma descrição do projeto da qual era capaz. (=era capaz da descrição do projeto.)

O verbo duvidar, faz a seguinte pergunta: duvidar de que? Da realização. Realização do que? Realização do projeto. É por isso que aparece de cuja. Capaz faz a seguinte pergunta: Capaz de que? Capaz da descrição (= da forma como deverá ser feito).

Observam-se muitas preposições, nas frases, acima, e todas elas escritas em azul. Tais preposições são muito importantes para se saber sobre a regência dos verbos, pois todos eles pedem tais preposições e, ao serem empregados com pronomes relativos, é preciso manter tais preposições ou encontrar pronomes relativos que já as embutem (= têm dentro deles).

Observa-se, ainda, que as palavras que vêm, após as preposições em azul, vão ser substituídas por um dos pronomes relativos, apresentados logo no começo de minha explicação. Cuidados devem ser tomados com os pronomes cujo, cuja, cujos, cujas, que eles substituem a palavra anterior e referem-se, também, à palavra que vem depois deles.

Os pronomes relativos cujo, cuja, cujos, cujas, quando vêm em uma frase, combinam com a palavra que vêm antes e depois dele ( com as duas ).
Espero ter ajudado.

PORTUGUÊS - ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS

13/03/2010 - Pedro Tárcio disse...

Professor Edson, estou com uma dúvida de coodernação, espero que você possa me ajudar!


Questão 1: "/Não tendo tempo de esfolar/, para aproveitar o pelo, sacudiu a raposa no meio da carga e seguiu viagem."

Questão 2: "/Se você me perguntar/, essas tarefas não te ensinam."  As orações em vermelho são  coordenadas?

16/03/2010 - CCDA RESOLVE

Boa tarde, Pedro Tárcio, sou Edson, Professor de Português do CCDA e vou ajudá-lo na resolução destas dúvidas.

Primeiramente, faço duas solicitações:

1) que você coloque dúvidas na Caixa Plantões Português. Anteriormente, já fiz esta solicitação pelo "blog" e, também, pelo twitter;

2) não faça comentários junto com suas dúvidas. Eu apaguei todos eles, pois eram absurdos e se fossem deixados, os internautas que nos visitam, poderiam confundir-se. 

Passemos às explicações. Nenhuma delas é coordenada. Ambas são subordinadas.

Questão 1: "/Não tendo tempo de esfolar/, para aproveitar o pelo, sacudiu a raposa no meio da carga e seguiu viagem."

A oração que você destacou em vermelho é subordinada à oração principal sacudiu a raposa no meio da carga.

A ordem  mais fácil para entendimento será: 

Oração principal: (ele/o motorista do caminhão) sacudiu a raposa no meio da carga;
Oração subordinada adverbial causal : porque não teve tempo para esfolar (mostra o motivo);
Oração subordinada adverbial final: para aproveitar o pelo (indica a finalidade);
Oração coordenada sindética aditiva: e seguiu viagem.

A única oração coordenada é E SEGUIU VIAGEM,  porque ela, apenas, liga-se, à oração principal.

Questão 2: "/Se você me perguntar/, essas tarefas não te ensinam."

Oração subordinada adverbial condicional: Se (caso) você me perguntar - a condição de se perceber que essas tarefas não te ensinam;
Oração principal: essas tarefas não te ensinam.

Assim, entende-se que a oração destacada em vermelho vai indicar a condição de você me perguntar. Qual é esta condição: suas perguntas, comprovando suas dúvidas; ela precisará de uma oração principal para dar-lhe sentido, razão dela aparecer no período, dela existir.

Espero ter ajudado.

Português - REGÊNCIA VERBAL

12/03/2010 - Gilmário Barbosa disse...


Boa tarde professor, ajude-me nesta dúvida.

Assinale a alternativa em que ocorra um erro de regência verbal:

a) Esqueceu-me o desejo discreto de conhecer as coisas do coração.

b) Lembrou-me a inusitada transformação por que passa a universidade brasileira.

c) Prefiro os casos que a inteligência discute a formas tecnocráticas de solução.

d) Aqui se jogam as sementes para informar-lhes de que a cultura não deve ser acadêmica.


16/03/2010 - CCDA RESOLVE

boa tarde, Gilmário, sou Edson, Professor do CCDA e vou resolver esta dúvida.

Primeiramente, é necessário saber que na Regência Verbal o verbo vai mostrar se ele tem sentido completo (verbo intransitivo), se precisa de complementos (verbo transitivo direto ou indireto) ou se, simplesmente, liga elementos da oração (verbo de ligação).
Para melhor entendimento, vou possibilitar uma forma mais fácil das duas orações apresentadas, acima.

a) Esqueceu-me o desejo discreto de conhecer as coisas do coração. = O desejo discreto de conhecer as coisas do coração foi esquecido por mim. Nesta alternativa, o verbo foi esquecido apresenta-se em forma dupla = foi + esquecido e está na 3ª pessoa do singular concordando com o sujeito o desejo discreto. Não precisa de nenhum complemento. POR MIM = função de agente da passivaAlternativa certa. Trata-se de uma forma diferente de voz passiva.

b) Lembrou-me a inusitada transformação por que passa a universidade brasileira.= A inusitada transformação pela qual passa a universidade brasileira foi lembrada por mim. Nesta alternativa, o verbo foi lembrada apresenta-se em forma dupla = foi + lembrada e está na 3ª pessoa do singular concordando com o sujeito a inusitada transformação.  Não precisa de nenhum complemento. POR MIM = funão de agente da passiva. Alternativa certa. Mesmo caso de voz passiva já apresentado na alternativa anterior.

c) Prefiro os casos que a inteligência discute a formas tecnocráticas de solução. Nesta alternativa, o verbo prefiro está concordando na 1ª pessoa do singular com o sujeito eliptico (=oculto) EU.
A regência deste verbo é a seguinte: quem prefere, prefere o que? A que? Observe, então:
Prefiro o que? Os casos...   Prefiro a que? A formas tecnocráticas de solução.   Alternativa certa.

d) Aqui se jogam as sementes para informar-lhes de que a cultura não deve ser acadêmica.


Nesta alternativa, As sementes são jogadas (concordância do verbo com o sujeito na 3ª pessoa do plural). Não aparece quem as joga. Quem as joga é agente da passiva e o verbo não precisa de nenhum complemento; na segunda oração, o verbo informar tem a seguinte regência: quem informa, informa o que? A quem? Observe: Informar a quem? A eles / a elas / às pessoas. Informar o que? Que a cultura não deve ser acadêrmica. Não se pode perguntar informar de que? A alternativa esta errada.


Espero ter ajudado.

Matemática - Funções do 2º grau - Máximo da Função

24/03/2010 - Mayara Tavares disse... 
 
Me ajudem nessa questão de matemática, por favor...
 
Se os inteiros m e n satisfazem a igualdade 6m + 5n = 60, qual o maior valor que o produto m . n pode assumir?
 
a) 24       b) 26        c) 28        d)30
 
27/03/2010 - CCDA RESOLVE

Boa tarde Mayara. Sou Reginaldo, Professor de Física e Matemática do CCDA, vou ajudá-la em sua dúvida que trata da análise de uma equação do 2º grau.
 
Primeiramente, deve-se multipicar a equação 6m + 5n = 60 por n, sabe-se que, quando uma equação é multiplicada pelo mesmo valor de ambos os lados do sinal de igual não se altera. Tem-se:
Agora, procura-se isolar o produto m . n para se analisar os possíveis valores que ele pode assumir.
Se a intenção é encontrar o maior valor de m . n, então, deve-se imaginar que esse produto seja maior que 0. Desta forma, tem-se:
Chegou-se a uma inequação do 2º grau, faz-se, então, o estudo dos sinais para analisar para que valores de n o resultado da inequação é maior que 0.
Como trata de uma equação do 2º grau analisa-se o gráfico
 
 
Percebe-se, facilmente, que o produto 6nm é positivo (6nm > 0) quando (0 < n < 12) e assume valor máximo quando (n = 6),portanto, Calcula-se:



Outra maneira de se encontrar o maior valor para o produto mn, é utilizar a formulação para o ponto de máximo da função do 2º grau. Calcula-se:



O Valor máximo para o produto mn é 30.

Mayara, espero tê-la ajudado em sua dúvida. Qualquer dificuldade no entendimento dos conceitos apresentados, mande-nos em forma de outra dúvida.

Matemática - Regra de Três Simples - Medidas de Volume e Tempo

14/03/2010 Ana Paula disse... 
Uma torneira mal fechada goteja cem vezes a cada 5 minutos. Adimitindo-se que todas as gotas têm a capacidade de 3ml, a quantidade de água que vaza por hora é:
 
a) < que 1 litro    b) > que 1 litro     c) igual a 1 litro    d) < que 10 litros
14/03/2010 - CCDA RESOLVE

Boa noite, Ana Paula. Sou Reginaldo, Professor de Física e Matemática do CCDA, vou ajudá-la em sua dúvida que trata de unidades de medida de tempo e de volume. Para solucioná-la, utiliza-se regra de três simples.

Primeiramente, é necessário perceber que a resposta tem que estar em litros. Desta forma, é preciso passar 3 ml para l. Tem-se:
Como as grandezas são diretamente proporcionais (= aumenta-se a quantidade de litros, aumenta-se a de ml), basta multiplicar-se em cruz:
Sabe-se, agora, que  a torneira goteja uma gota de 0,003 l. Como são 100 gotas a cada 5 minutos,  tem-se:
Deve-se, então, saber quantos minutos tem uma hora. Esta é fácil 60 minutos. Desta forma:
As grandezas acima, também, são diretamente proporcionais. Multiplica-se em cruz e encontra-se o resultado. A torneira perderá 3,6 litros de água se ficar 1 hora mal fechada. Tanto a alternativa B como a D se encaixam na resposta.

Ana Paula, espero tê-la ajudado. Qualquer dificuldade no entendimento dos conceitos empregados mande-nos em forma de outra dúvida.

RELAÇÃO DE PROVAS ENEM RESOLVIDAS

Física - Conservação da Energia Mecânica - Energia Potencial Elástica

30/03/2010 - Mayara disse... 

Um corpo de massa 2 kg, preso a uma mola de constante elática 200 N/m, pendurada no teto, é abandonado do repouso exatamente na posição A, em que a mola não apresenta deformação. Ele cai em movimento acelerado até certo ponto e, depois, freia até parar momentaneamente no ponto B, de máxima deformação da mola.Determine a distância entre os pontos A e B. Adote g = 10 m/s² 
 
05/04/2010 - CCDA RESOLVE
 
Mayara, boa tarde. Sou Reginaldo, Professor de Física e Matemática do CCDA, vou ajudá-la em sua dúvida que trata do teorema da conservação da energia mecânica em sistemas conservativos. O caminho mais fácil para resolver sua dúvida é considerar o sistema conservativo e observar que a energia mecânica no início é igual a energia mecânica no final do movimento. Analisa-se a figura:

Considera-se que no ponto A o objeto está a uma altura x que corresponderá a deformação da mola quando este atingir o chão no ponto B. Em A a energia armazenada pelo corpo é totalmente gravitacional uma vez que a mola não está deformada e o corpo está em repouso. Ao chegar em ao chão em B com movimento retardado e parando a única egergia do corpo é a potencial elástica da mola. Sendo assim, a energia potencial gravitacional no início do movimento é igual a energia potencial elástica no final. Calcula-se:
Como a deformação da mola é exatamente a distância entre oa pontos A e B este valor é 20 cm
 
Mayara, espero tê-la ajudado em sua dúvida. Qualquer dificuldade no entendimento dos conceitos, mande-nos em forma de outra dúvida.

Português - Classes gramaticais: substantivo, advérbio

1º/03/2010 - Pedro Tarcio da Silva Ferreira


Professor,  Edson, ajude-me novamente!

Na mensagem "....a viver sua infância plenamente..." qual é a classe gramatical das palavras: infância e  plenamente ?

03/03/2010 CCDA RESOLVE


Pedro, sou Edson, Professor de Portugês do CCDA e vou ajudá-lo nesta dúvida.

Quando se fala em classe gramatical, lembra-se da origem de cada palavra: substantivo, adjetivo, artigo, numeral, pronome, verbo, advérbio, preposição, conjunção e interjeição.

Observa-se, então, que a palavra infância é uma palavra que indica um determinado período de vida, ela identifica alguma coisa, dá nome a alguma coisa. Se preferir, coloque o artigo a, na frente da palavra infância e irá perceber que a palavra fica com melhor informação. Então, tem-se um substantivo.

Toda vez que se puder colocar artigos o, a, os, as, na frente de uma palavra, e ela ficar com melhor sentido, tem-se um substantivo ou palavra substantivada, isto é, que está sendo usada como substantivo.

 A palavra plenamente serve para modificar, para melhor explicar, para melhor informar uma mensagem,  é um advérbio. Nesta mensagem, ela indica o modo de viver: viver de que modo? Viver como? Resposta: plenamente.

Observa-se, também, que a palavra termina por mente. Toda palavra terminada por mente é advérbio, em muito casos, advérbio de modo.

Espero ter ajudado. Avise seus amigos para mandarem dúvidas, também.

Matemática - Medidas de Ângulo - Subtração

11/03/2010 - Matheus disse... 
 
Professor ajude-me, tenho prova decisiva dia 14 de março:
 
(cge 304) 36. O valor encontrado efetuando a operação (61°)-(32°42'35") é:
 
a. 28°17'25"   b. 29°42'35"     c. 29°     d. 25°42'35"    e. essa subtração é impossível realizar
13/03/2010 - CCDA RESOLVE

Boa tarde, Matheus. Sou Reginaldo, Professor de Física e Matemática do CCDA, vou ajudá-lo em sua dúvida que se trata de uma subtração de medidas angulares.

Primeiramente, é necessário saber as relações entre graus °, minutos ', e segundos ". Estas unidades de medidas de ângulos pertence a um sistema sexagesimal de medidas. Vê-se:


Agora fica fácil, basta acertar os valores de cada unidade e subunidade, tem-se:

Feito este ajuste faz-se a subtração desejada, então:
A resposta é 28° 17' 25". Alternativa A

Matheus, espero tê-lo ajudado em sua dúvida, qualquer dificuldade no entendimento dos conceitos aqui empregados mande-nos em form de outra dúvida.

DAXIANOS DO CONHECIMENTO - SEJA MAIS UM...

Professores Responsáveis

  • Prof. Edson Gallina
  • Prof. Reginaldo Nofoente Duran